Histórico do Implante Coclear

A idéia e proposta inicial em montar um programa de implante coclear (IC) no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCRP-FMRP-USP), nasceu de um sonho de um mestre, médico e grande pesquisador dos mecanismos anátomo-funcionais da orelha interna, de suas doenças e da recuperação da função auditiva, o Prof. Dr. José Antonio A. de Oliveira. No final de 2004 o programa de IC do HCRP-FMRP-USP é cadastrado junto ao Ministério da Saúde (MS) como centro capacitado para o implante coclear. Atualmente contamos com 120 pacientes implantados, dos mais diversos estados brasileiros. Os resultados obtidos são animadores e importantes para determinar o crescimento do serviço. Vencidas as dificuldades iniciais para o credenciamento junto ao MS, vêem as dificuldades cirúrgicas, facilmente vencidas com o treinamento e inserção em cursos diversos. Com aumento da população de implantados as dificuldades se projetam no crescimento paralelo dos recursos humanos necessários para o processo de reabilitação pós implante, bem como o controle da reabilitação realizada nas cidades de origem dos diversos pacientes, o que pode contribuir aumentando o tempo necessário para o paciente obter os resultados finais desejáveis com o IC.

            Quando do diagnóstico de uma Deficiência Auditiva (DA), particularmente na criança, convém agilidade para se iniciar a reabilitação auditiva, visto que temos períodos de prontidão para o aprendizado e fatores, como privação auditiva, não deverá interferir.

            O IC é uma alternativa para os pacientes com Deficiência Auditiva profunda bilateral, que não se beneficiaram do aparelho auditivo. O IC deve ser indicado com extrema segurança pela equipe multiprofissional, de acordo com critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde e adaptados pelo serviço.

            Após a cirurgia, a reabilitação no IC tem início na ativação dos eletrodos e na realização de mapeamentos, seguindo um processo particular de reabilitação do deficiente auditivo. Todos os pacientes, independente da época de instalação da deficiência auditiva, dependem para que seus resultados sejam positivos da eficácia do treinamento auditivo formal e do engajamento nas atividades orientadas. Engajamento esse, da família e do paciente .

            É fundamental se compreender que o “ouvir” com o implante coclear não será igual ao de uma pessoa que nunca apresentou deficiência auditiva, e que mesmo aquelas pessoas que já ouviram antes não voltarão a ouvir exatamente como antes, ainda que a experiência auditiva anterior ajudará muito na adaptação e na reabilitação do novo ouvir com o implante coclear.

            Uma vez que o ouvir com o implante coclear seja uma experiência nova para o implantado, a dedicação não só do paciente, mas de toda família, será fundamental para que a pessoa implantada consiga desenvolver toda sua potencialidade por meio desse recurso. Fatores com o preparo psicológico, a motivação, o comprometimento com a reabilitação e a dedicação do paciente e de seus familiares podem ser decisivos par ao sucesso ou não do implante coclear.

 

Equipe de Implante Coclear do HCRP-FMRP-USP

Coordenadro: Prof. Dr. Miguel Angelo Hyppolito
Fonoaudióloga responsável: Carla Alessandra Scaranello
Fonoaudiólogas: Michele Nave Valadão; Adriana Ribeiro Tavares Anastásio; Ana Claudia Mirandola Barbosa Reis; Érika Barioni Montello; Alessandra Kerli da Silva Manfredi; Ana Paula do Rego André.
Médicos: Prof. Dr. Eduardo Tanaka Massuda; Profa. Dra. Myriam de Lima Isaac
Psicóloga: Tatiana Francis Gaia
Assistente Social: Ana Silvia de Oliveira
Enfermeira: Benedita Borges da Luz
Pedagoga: Jilma de Andrade
Secretária: Juliana Kátia da Silva Gimenes
Médico Adido: Dr. Alex Strose
Colaborador/Fundador: Prof. Dr. José Antonio A. Oliveira
Suporte Institucional: Médicos dos Departamentos: Pediatria, Genética Médica, Neurologia, Radiologia e Infectologia do HCRP e GECON.