OTOTOXICIDADE, OTOPROTEÇÃO E AUTODEFESA
DAS CÉLULAS CILIADAS DA CÓCLEA

 

OTOTOXYCITY, OTOPROTECTION AND SELF DEFENSE OF THE COCLEAR OUTER HAIR CELLS

Miguel A. Hyppolito, José Antonio A. de Oliveira

Docentes. Divisão de Otorrinolaringologia. Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP CORRESPONDÊNCIA: Miguel Angelo Hyppolito. Divisão de Otorrinolaringologia do Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Avenida Monte Alegre, 3900. Ribeirão Preto – SP – Brasil. CEP: 14049-900; E-mail: mhyppolito@uol.com.br ou mahyppo@fmrp.usp.br

Hyppolito MA, Oliveira JAA. Ototoxicidade, otoproteção e autodefesa das células ciliadas da cóclea. Medicina (Ribeirão Preto) 2005; 38 (3/4): 279-289.

RESUMO: Ototoxicoses são afecções provocadas por drogas medicamentosas de forma iatrogênica, comprometendo a função auditiva e/ou do sistema vestibular periférico. São caracterizadas por uma perda auditiva neurossensorial de mais de 25 dB em uma ou mais freqüências na faixa de 250 a 8000 Hz, com ou sem manifestações de vertigem ou desequilíbrio. Dentre as drogas ototóxicas as mais estudadas são os antibióticos aminoglicosídeos e antineoplásicos como a cisplatina que é largamente utilizada para o tratamento do câncer, tanto em adultos quanto em crianças. Estudos têm tentado identificar drogas que, associadas aos ototóxicos possam atuar como otoprotetores. Sabe-se que o mecanismo da ototoxicidade de aminoglicosídeos e da cisplatina está relacionado a alterações nos mecanismos antioxidantes das células ciliadas, principalmente as células ciliadas externas da cóclea. Além disso, existem relatos do fenômeno de autodefesa das células ciliadas externas a aminoglicosídeos e a cisplatina.

Descritores: Ototoxicidade. Aminoglicosídeos. Cisplatina. Otologia. Toxicidade de Drogas.

1- INTRODUÇÃO

Ototoxicoses são afecções provocadas por drogas medicamentosas de forma iatrogênica, comprometendo a função auditiva e/ou do sistema vestibular periférico. São caracterizadas quando ocorrer uma perda auditiva neurossensorial de mais de 25 dB em uma ou mais freqüências na faixa de 250 a 8000 Hz, com ou sem manifestações de vertigem ou desequilíbrio.
(Figura 1)  A incidência de ototoxicidade é variável, para a gentamicina, varia de 6% a 16%; Tobramicina, 6,1%; Amicacina 13,9%; Netilmicina 2,5%; existindo relato de até 80% para a Kanamicina. Outro aspecto importante é a reversibilidade da ototoxicidade que segundo estudo de Matz em 1993, houve uma reversibilidade da ototoxicidade da gentamicina em 50%, com tempo de recuperação variando de 1 semana a 6 meses, após cessar o seu uso1. Diferentes substâncias podem causar perda auditiva por lesão coclear, podendo-se destacar:  antineoplásicos, antibióticos, diuréticos, antiinflamatórios não esteroidais, antihipertensivos, desinfetantes. (Tabela I)

2- DROGAS OTOTÓXICAS

Dentre as drogas mais estudadas, dois grupos têm destaque, por sua utilização difundida na prática clínica que são os antibióticos aminoglicosídeos e os antineoplásicos, sendo seus representantes a gentamicina e a cisplatina, respectivamente. A cisplatina é uma potente droga antineoplásica utilizada em larga escala tanto em adultos quanto em crianças na terapia do câncer avançado. Muitos de seus efeitos colaterais são irreversíveis e podem ser monitorados clinicamente, mas freqüentemente não podem ser evitados. A toxicidade da cisplatina tem sido verificada tanto em nível renal, como do sistema nervoso central ou periférico, toxicidade gastrointestinal e da medula óssea e, assim como outras classes de medicamentos causa lesões cocleares no nível do órgão de Corti.

Tabela I: Drogas potencialmente cócleo e/ou vestíbulotóxicas

Estudos anatômicos demonstram que a cisplatina provoca danos tanto com doses agudas  elevadas como com doses cumulativas, principalmente com o comprometimento de células ciliadas externas, havendo lesão inicial nas células da espira basal da cóclea. Alguns autores sugerem a ocorrência de um bloqueio na transdução dos canais de cálcio destas células, outros
estudos mostram lesões às células ciliadas internas, às células suportes e “stria vascularis”, bem como o gânglio espiral. A cisplatina causa uma perda auditiva bilateral e irreversível em humanos, com zumbido associado e comprometendo às altas freqüências (4.000 Hz a 8.000 Hz).
Os exames para diagnosticar e prevenir os efeitos ototóxicos destas drogas têm sido a audiometria tonal liminar, Potencial Auditivo Evocado de Tronco Cerebral (PAETC), potencial endococlear e as emissões otoacústicas, que medem o estado funcional das células ciliadas externas como um método de avaliação simples e rápido, colaborando na monitorização de pacientes submetidos a drogas consideradas ototóxicas. Estudos têm demonstrado um possível mecanismo de alteração do sistema antioxidante celular para a ototoxicidade e nefrotoxicidade geradas pela cisplatina e gentamicina, pois as vias de detoxicação nos dois tecidos são semelhantes. Os níveis de glutation e a atividade de enzimas antioxidantes como superóxido
dismutase, catalase, GSH peroxidase e GSH redutase estão reduzidas nestes tecidos, levando a peroxidação lipídica, instalando assim, a toxicidade celular. Numa fase aguda, a droga ototóxica se combinaria a receptores de membrana das células ciliadas cocleares ou das máculas do  sáculo, utrículo ou cristas ampulares dos canais semicirculares. Esses receptores
compostos de polifosfoinositídeos têm papel importante nos mecanismos bioelétricos e na permeabilidade da membrana celular, por interação com íons cálcio. O aminoglicosídeo, por exemplo, leva a um bloqueio dos canais de cálcio e conseqüentemente aos canais de potássio (cálcio dependentes) e perda de íons magnésio nas mitocôndrias das células ciliadas. Numa fase crônica ocorrerão alterações no nível de RNA e DNA e na síntese protéica, desencadeados
pelas alterações nos sistemas antioxidantes celulares. Sendo as alterações cocleares irreversíveis e tendo como seqüelas as perdas auditivas neurossensoriais, a forma de impedi-las seria a prevenção. Em um paciente onde há necessidade de se utilizar uma droga sabidamente ototoxica, deve-se avaliar previamente sua audição com audiometria tonal liminar e/ou
emissões otoacústicas, monitorando co m exames regulares até o término do tratamento.

Fatores de risco que devem ser evitados

• Exposição a ruídos intensos;
• Associação de drogas, como por exemplo, uso concomitante de diuréticos;
• Perdas auditivas prévias;
• Problemas hepáticos ou renais;
• Administração em crianças e recém-nascidos e pacientes em idade avançada;
• Gravidez.

Medidas preventivas

• Administrar a droga ototóxica em doses e vias adequadas;
• Escolher a droga menos tóxica;
• Administrar a dose mais baixa por um período mais curto, se possível.
Pesquisas que se estendem do final da década de 80 até o presente têm se dedicado à compreensão dos mecanismos de ototoxicidade e da utilização de drogas que atuariam como otoprotetoras às células ciliadas.

2.1- Mecanismos da ototoxicidade da cisplatina

Quanto aos mecanismos de ototoxicidade da cisplatina, pouco é conhecido, desde os estudos iniciais de Harder e Rosenberg (1970)2, onde o íon cloreto do meio intracelular favoreceria a reação da platina ao DNA celular.
Barron e Daigneault (1987)3, mostraram que no nível celular, na cóclea, não ocorrem alterações na bomba de sódio - potássio, não observando alterações na atividade da Na+-K+-ATPase, após a administração de cisplatina, como ocorre em nível renal. Estudos avaliando a depleção do glutation (GSH) renal, mostraram a possibilidade da formação de espécies de oxigênio reativo, sendo este o primeiro fator que permite a peroxidação lipídica, levando a lesão celular. Estudos com outras drogas ototóxicas como os aminoglicosídeos, também têm mostrado o envolvimento
da via do glutation (GSH) coclear, em cuja depleção consiste o mecanismo desencadeante para
lesões por radicais livres. Mc Alpine e Johnstone (1990)4, mostraram em estudos fisiológicos, com técnicas de iontoforese, que a perda auditiva causada pela cisplatina, estava relacionada
a um bloqueio nos canais iônicos das células ciliadas externas, bloqueando assim, a transdução do estímulo, mas não explicam exatamente como tal bloqueio ocorreria. Mostraram que durante a administração de cisplatina, não ocorreu alteração no potencial endococlear da cóclea, medido na escala timpânica, havendo no entanto, perda auditiva, concluindo então que a stria vascularis, não é o sítio primário de ototoxicidade da cisplatina. (Figura 2).

 

Os mesmos autores observaram que existe uma alteração na resposta da relação 2f1 - f2 nos produtos de distorção das emissões otoacústicas, após a administração de cisplatina, o que implica na lesão das células ciliadas externas, em particular no processo mecânico ativo de contração rápida destas células, o que implicaria em: primeiro, alteração na rigidez do estereocílio; segundo, redução no movimento do estereocílio  pela própria alteração no processo de transdução mecano elétrica e terceiro, o processo poderia estar afetado de alguma outra maneira, como por exemplo, o fechamento dos canais iônicos no ápice da célula ciliada.

Ravi, Somani e Rybak (1995)5, propõem um mecanismo que explica a ototoxicidade pela cisplatina, utilizando como modelo experimental ratos, verificou uma redução no glutation (GSH) coclear (47% do controle), não detectando o glutation oxidado (GSSG), podendo isto ocorrer pela formação de complexo GSH- platina, havendo em seguida sua metabolização
e excreção. A depleção do Glutation deve ser o passo determinante do “stress oxidativo” da célula que subseqüentemente leva a citotoxicidade. Tal processo também foi observado no rim de ratos tratados com cisplatina. Observaram também uma redução na atividade da GSH-peroxidase (70% do controle), que foi explicado por: primeiro, ligação direta da cisplatina aos
grupos sulfidrila da GSH-peroxidase, inativando-a; segundo, aumento de peróxidos orgânicos; terceiro, diminuição nos níveis da enzima, devido a um aumento na degradação da enzima combinada com a platina e quarto, depleção do glutation. Com relação à atividade da superóxidodismutase (SOD) observaram um aumento de 141% do controle e da catalase 138% do controle, o que aumentaria a geração de espécies de oxigênio reativo na cóclea. Os íons superóxido devem levar a alterações na transdução acústica por influenciar na motilidade das células ciliadas externas da cóclea, o que ocorreria por um aumento no influxo de íon cálcio (Ca++). O que se considera atualmente é o mecanismo de ototoxicidade da cisplatina por alterações no sistema antioxidante das células ciliadas externas da cóclea. Assim, diferentes drogas antioxidantes foram testadas ao longo das duas últimas décadas. Tal estudo reuniu os autores que apresentam o maior número de citações bibliográficas na literatura médica, expondo
o que existe de consenso sobre o uso de dro gas queprotegem as células ciliadas dos efeitos ototóxicos da cisplatina.

 

3- DROGAS OTOPROTETORAS

3.1- Mecanismo de ação

Smoorenburg et al. (1999)6, sugere que os otoprotetores à cisplatina devem atuar seguindo os seguintes mecanismos: primeiro, interação direta com a cisplatina (tiois); segundo, deslocamento da platina de seu sítio tóxico; terceiro, prevenir que a platina interaja com a enzima superóxidodismutase e quarto, impedir a formação de radicais livres intracelulares. As drogas classificadas nos ítens primeiro e segundo, devem ser estudadas com cautela, pois estas podem reduzir a potência da atividade antineoplásica da cisplatina . Radicais livres e espécies reativas de oxigênio são produzidos continuamente no organismo tanto em situações de saúde como de doença. São importantes como mecanismos reguladores celulares, como  “sinalizadores” intracelulares ou atuam como bactericidas. Sua produção depende de um estado de equilíbrio entre produção e remoção do oxigênio reativo e de nitrogênio, sendo este controle dependente de fatores intracelulares como as enzimas superóxido dismutase e glutation peroxidase e compostos de baixo peso molecular como a vitamina E e ácido ascórbico. Certas drogas podem induzir “stress oxidativo” intracelular pela interação da droga com radicais  intracelulares que podem comprometer as defesas antioxidantes da célula ou reagir diretamente com biomoléculas, levando a um comprometimento dos mecanismos de reparo do DNA, produção de proteínas e dos fosfolípides de membrana, participando assim da etiopatogenia de certas doenças e de efeitos colaterais de determinadas drogas. As evidências são fortes de que os radicais livres participam do mecanismo ototóxico de drogas como os aminoglicosídeos e a  cisplatina, o que não está bem estabelecido é se os achados são a causa ou a conseqüência da lesão às células ciliadas externas da cóclea. Huang, et al (2000)7, mostraram que a lesão
coclear induzida pela cisplatina leva a apoptose das células ciliadas externas, submetidas a um “stress oxidativo” e que a cisplatina leva a formação de espécies de oxigênio reativo e de radicais livres intracelulares, os quais interagem com os fosfolípides de membrana das células ciliadas externas, levando a peroxidação aldeído lipídica e que um destes aldeídos é o 4- hidróxinonenal, que é um mediador conhecido da apoptose celular para neurônios auditivos e células ciliadas.  Portanto, propõem que para a otoproteção deve ocorrer: primeiro, a prevenção da formação de oxigênio reativo; ou segundo, uma neutralização dos produtos tóxicos da peroxidação aldeído lipídica; ou terceiro, um bloqueio aos danos às células sensoriais que levam  a apoptose.

3.2- Tipos de drogas otoprotetoras

Dentre todas as drogas testadas até o momento, as maiores evidências de otoproteção são de substâncias designadas como tiois (compostos sulfurados), quelantes de metais que atuam como carreadores de radicais livres intracelulares. O estudo conclui que as maiores evidências de ação efetiva são o tiossulfato de sódio e a d-metionina. No entanto, os estudos clínicos são restritos, por não se saber exatamente qual a interação de tais agentes com a cisplatina e permanecer a dúvida se a formação de radicais livres intracelulares seria o principal mecanismo de lesão ototóxica da cisplatina.

3.2.1- Fosfomicina e tiossulfato de sódio

Desde a década de 80 tem-se estudado o uso de substâncias que possam servir como otoprotetoras aos efeitos ototóxicos da cisplatina. Schweitzer, et al (1986)8, utilizaram a fosfomicina, um antibiótico derivado do ácido fosfônico, que já havia sido testado para a otoproteção a antibióticos aminoglicosídeos, mostrando que houve uma certa proteção que é dose dependente ou dose limitante aos efeitos ototóxicos e nefrotóxicos da cisplatina. Elferink, et al (1986)9, demonstrou que o tiossulfato de sódio liga-se irreversivelmente com a cisplatina
para formar Pt(S2O3)4 e deve ser administrado logo após a infusão da cisplatina para sua neutralização. Otto, et al (1988)10, estudaram o efeito do tiossulfato de sódio sobre a ototoxicidade da cisplatina e observaram uma proteção significativa, avaliada
eletrofisiológicamente pelos potenciais auditivos evocados de tronco cerebral, quando os animais foram observados por até 30 dias de tratamento. Jordan, et al (1999)11 sugerem que a fosfomicina pode ser usada para prevenir a ototoxicidade e nefrotoxicidade em humanos, por não terem observado em seus estudos, alteração do potencial antitumoral da cisplatina associada a fosfomicina. Saito, et al (1997)12 estudaram o efeito do tiossulfato de sódio sobre a cisplatina em cobaias, mostrando que ocorreu otoproteção quando o tiossulfato foi administrado até 1 hora após a cisplatina, o que reforça que existe a interação do tiossulfato com a cisplatina, impedindo assim, o contato da cisplatina com as células ciliadas externas e com as células marginais
ou stria vascularis ou então, impediria a ligaçãoda cisplatina a macromoléculas intracelulares.
Kaltenbach, et al (1997)13 compararam o tiossulfato de sódio com o dietilditiocarbamato, fosfomicina e amifostina, quanto à taxa de otoproteção aos danos causados pela cisplatina, encontrando 91% de proteção para o tiossulfato de sódio, 68% de proteção para o dietilditiocarbamato e 45 % para a fosfomicina e amifostina em um estudo usando como modelo  experimentalhamsters, avaliados eletrofisiológicamente pelo potencial auditivo evocado de tronco cerebral e anatomicamente pela microscopia eletrônica de superfície. Muldoon, et al (2000)14, demonstraram otoproteção pelo tiossulfato de sódio sem redução na atividade antitumoral da cisplatina, propondo seu uso em humanos.

3.2.2- Dietilditiocarbamato

Berry, et al (1990)15, testaram o dietilditiocarbamato, um agente quelante de metais pesados, em
pacientes submetidos à quimioterapia por cisplatina. Dos pacientes estudados por Berry, et al
(1990)15, com relação a otoproteção pela cisplatina, ocorreu uma proteção parcial e dose dependente, bem como todos os pacientes apresentaram os efeitos colaterais do detilditiocarbamato. Ainda assim, não está claro na literatura se a interação do  dietilditiocarbamato pode bloquear seus efeitos antineoplásicos.

3.2.3- Derivados das melanocortinas

Hamers, et al (1994)16, estudaram agentes utilizados até então como neuroprotetores, como as
melanocortinas, o hormônio adrenocorticotrófico (ACTH), em particular seu peptídeo análogo ORG 2766, sobre os efeitos ototóxicos da cisplatina e observou em um grupo tratado com 2,0 mg/ Kg/ dia de cisplatina por 8 dias consecutivos que houve uma proteção “eletrofisiológica”, (potencial de ação, somação e microfônico coclear) em aproximadamente 40% dos animais e o estudo anatômico por microscopia óptica não mostrou lesão celular significativa.
Tais estudos foram repetidos por Stengs, et AL (1998b)17, encontrando um efeito otoprotetor do ORG 2766 em cobaias que é dose dependente, mas observa- se certa incoerência nos dados que mostram alteração nos animais tratados com cisplatina 1,0 mg/ Kg/ dia por 8 dias e sinais de otoproteção no grupo tratado com 1,5 mg/ Kg/ dia por 8 dias, sendo tais dados considerados inconclusivos. Os mesmos achados foram observados por Cardinaal et al (2000)18.

3.2.4- D-metionina e L-metionina

A D-metionina, um composto sulfurado, com afinidade de ligação à cisplatina, foi testado em ratos por Campbell, et al (1996)19, mostrando através de avaliação eletrofisiológica pelos potencias evocados auditivos de tronco cerebral e avaliação anatômica por microscopia eletrônica de superfície que na dose única de 16 mg/ Kg de cisplatina, a D-metionina,
30 minutos após e na dose de 300 mg/ Kg protegeu significativamente as células ciliadas externas dos efeitos ototóxicos da cisplatina, bem como reduziu a mortalidade dos ratos e protegeu-os quanto à perda de peso. A D-Metionina e L-Metionina foram estudadas
posteriormente por Reser, et al (1999)20, mostrando excelente ação otoprotetora aos danos causados pela cisplatina, no entanto, estudos in vitro e in vivo sugerem uma redução significativa da potencia na atividade antineoplásica da cisplatina. Estudos com o uso da D-metionina tópica, aplicada junto à janela redonda mostraram proteção significativa aos efeitos ototóxicos da cisplatina às células ciliadas cocleares, possibilitando evitar os efeitos sistêmicos destas drogas bem como sua interferência com o potencial antineoplásico da cisplatina.

3.2.5- L-N-acetil cisteína

Feghali, et al (2001)21, estudaram o efeito otoprotetor da L-N-acetilcisteína aos efeitos tóxicos da cisplatina em neurônios auditivos e células ciliadas sensoriais, demonstrando proteção significativa a ambos. É uma droga do grupo dos tióis, com potencial efeito antioxidante e que promove aumento nos níveis de glutation intracelular.

3.2.6- Salicilato de sódio

Sha e Schacht (1999)22 estudando a ototoxicidade pela gentamicina, demonstraram que o salicilato de sódio, uma droga sabidamente ototóxica, dose dependente, na dose de 100 mg/Kg subcutânea, atenuou a ototoxicidade da gentamicina em 80% com relação à perda de células ciliadas externas cocleares. Discute que o salicilato protegeria estas células da gentamicina  por dois fatores: primeiro, por ser um quelante de ferro e por eliminar radicais livres tóxicos e segundo, pelo salicilato poder ser oxidado pelo quelante de ferro 2,3-dihidroxibenzoato, nos tecidos, sendo que tal substância está implicada no “stress oxidativo” celular. Li, et al (2002)23, estudaram ratos que receberam 5,0 mg/ Kg/ dia de cisplatina por 03 dias com injeção subcutânea de salicilato de sódio iniciada 02 dias antes da cisplatina e observaram que houve otoproteção verificada pelas medidas eletrofisiológicas dos potenciais auditivos evocados de tronco cerebral, havendo ainda uma redução significativa da perda de células ciliadas externas, em relação ao controle. Dehne, et al (2001)24, estudaram células ciliadas em cultura para verificar se o íon ferro está envolvido com a ototoxicidade pela cisplatina, como existem evidências de que o ferro estaria envolvido na nefrotoxicidade, observaram que ocorreu uma otoproteção  parcial quando utilizaram um quelante de ferro (2,2´- dipiridil). Concluíram que a ototoxicidade pela cisplatina é parcialmente mediada por uma via ferro dependente, associada a um aumento na formação de ânions superóxidos no interior das células ciliadas externas da
cóclea.(Figura 3).

3.2.7- Extrato de ginkgo biloba

Fukaya e Kanno (1999)25, estudaram, em ratos, os efeitos da ginkgo biloba como otoprotetor aos danos causados ás células ciliadas externas pela cisplatina. Utilizaram a dose de 1,0 mg/ Kg/ dia por 10 dias consecutivos e 90 minutos após as cobaias receberem 100 mg/ Kg /dia de ginkgo biloba. Verificaram através de medidas do potencial de ação e por microscopia eletrônica de superfície que existe um efeito protetor porque a ginkgo biloba reduz a peroxidação lipídica e atua removendo do meio intracelular ânions superóxidos e radicais livres. (Figura 4)

3.2.8- Outros agentes

O ácido 4-metiltiobenzóico mostrou proteção a ototoxicidade pela cisplatina por atuar no sistema antioxidante coclear O ácido pantotênico foi testado por Martinez, et al (1997)26, não evidenciando correlação entre os achados funcionais da eletrocócleografia e as alterações observadas á microscopia eletrônica de superfície, apesar de outros autores já haverem descrito o efeito protetor do ácido pantotênico na ototoxicidade pela cisplatina. Substâncias como os lazaróides, que são os 21- aminoesteróides, sem ação glicocorticóide tem sido testados com potencial efeito otoprotetor a cisplatina por sua ação como potente inibidor da peroxidação
lipídica, sendo um carreador de radicais livres tóxicos á cóclea. Hori, et al (1999)27 mostraram que existe um efeito protetor de tais substâncias (Lazaróide U- 743899) quanto a ototoxicidade pela cisplatina, não havendo diminuição na atividade antitumoral da cisplatina. O ácido lipóico e o ebselen, substâncias antioxidantes também foram demonstradas com agentes potencialmente otoprotetores, dose dependentes, aos efeitos ototóxicos pela cisplatina. Yuhas e Culo (1980)28, descreveram a ação da amifostina (WR - 2721), uma droga do grupo dos tiofosfatos inorgânicos, utilizada como protetor a radiações eletromagnéticas, observaram nefroproteção a
cisplatina sem alterar sua função antitumoral. Foster Nora e Siden (1997)29, sugeriram que a
ação da amifostina ocorre nos radicais livres , por ligação nas derivações ativas dos antineoplásicos, no entanto, não se sabe sua influencia na eficácia da quimioterapia, sendo utilizada como protetor aos efeitos da radioterapia.

4- AUTODEFESA CELULAR; HABITUAÇÃO A DROGA OU REGENERAÇÃO CELULAR

Stengs, et al (1997)30, trabalhando com o grupo de Smoorenburg, G.F. (Holanda), que posteriormente publicou mais dois trabalhos em 1999 e 2000, abordando o mesmo estudo, mostraram que após injeção de cisplatina 1,5 mg/ Kg/ dia por 8 dias consecutivos, seguindo os animais com medidas eletrofisiológicas do potencial de ação, potencial de somação e potencial microfônico coclear, a partir de 8 semanas observaram que existe uma melhora destes potenciais e ocorre a formação de novas células ciliadas externas e/ou ocorre um reparo das células ciliadas externas lesadas, o qual foi observado por microscopia óptica, apontando para a capacidade de recuperação espontânea das células ciliadas externas lesadas, sugerindo um
mecanismo de autodefesa.
Os achados de Smoorenburg et al. (1999)6, propõe que outras drogas interessantes de serem testadas como otoprotetoras seriam os neuropeptídeos relacionados ao ACTH, por apresentarem um potencial de otoproteção e estimularem a recuperação das células ciliadas externas que ocorre espontaneamente. Trabalho recente realizado na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP mostrou que doses baixas não cócleotoxicas de amicacina 30 mg/Kg/dia levam a um efeito protetor a doses elevadas sabidamente ototóxicas da amicacina (400 mg/ Kg/ dia), sugerindo assim a possibilidade de um mecanismo de autodefesa ou uma adaptação intracoclear as agressões induzidas pelos aminoglicosídeos ototóxicos (Oliveira, et al. 2004)31. Tal fato também foi verificado para a cisplatina, sendo que as defesas celulares, principalmente os
mecanismos antioxidantes das células ciliadas externas seriam “ativados” pelas doses baixas não lesivas, ficando a célula preparada para receber uma carga maior do agente ototóxico lesivo. No entanto, tal proteção é parcial, pois ocorrem alterações no funcionamento das células ciliadas externas conforme observado pela ausência das emissões otoacústicas. Poderiam
tais células ter reduzido sua capacidade de contração rápida como forma de economizar energia,
deslocada para as defesas anatômicas das células ou a própria autodefesa diminuiria a  capacidade de contração das células ciliadas externas. Os achados deste estudo mostram  evidências de um mecanismo de autodefesa das células ciliadas cocleares contra as alterações anatômicas, estruturais das mesmas contra os danos causados pela cisplatina provavelmente modulado pelos sistemas de defesa antioxidantes da célula, mas com alteração no estado funcional das mesmas o que pode representar uma sobrecarga ainda maior de radicais livres em  um ambiente já agredido por agentes ototóxicos. (Figura5 a, b e c)

 

AGRADECIMENTOS

Laboratório de Técnica Cirúrgica e Cirurgia Experimental do Departamento de Cirurgia e Anatomia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP.

Laboratório de Microscopia Eletrônica do Departamento de Biologia Celular e Molecular e
Bioagentes Patogênicos da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP.

Hyppolito MA, Oliveira JAA. Ototoxycity, otoprotection and self defense of the coclear outer hair cells. Medicina (Ribeirão Preto) 2005; 38 (3/4): 279-289.

Abstract: Ototoxicity are affection caused by side effects of medicaments with irreversible auditory and bilateral neurossensorial hearing loss to frequencies 250 to 8000 Hz, with or without vertigo or dizziness.
Most of the studies on this area are reffered to aminoglicosides and antineoplastic drugs like cisplatin, used for cancer treatment in children and adults. Reports recognize some drugs that are associated with  this drugs to obtain an otoprotector effect.The ototoxicity mechanisms of aminoglicosides and cisplatin are related to injury of conduct the hair cell oxidation mechanism, with particular injury to outer hair cells. Other possibility are a self-defense mechanism of outer hair cells reported by some studies.

Keywords: Ototoxicity, Aminoglicosides. Cisplatin. Otology. Drug Toxicity.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 - Matz GJ. Aminoglycosyde cochlear ototoxicity. Otolaryngol Clin North Am 1993; 26: 705-12.

2 - Harder HC, Rosenberg B. Inhibitory effects of anti-tumo platinum compounds on DNA, RNA and protein syntheses in mammalian cells in vitro. Int J Cancer 1970; 6: 207-16.

3 - Barron SE, Daigneault EA. Effect of cisplatin on hair cell morphology and lateral wall Na-K-ATPase activity. Hear Res 1987; 26: 131-7.

4 - McAlpine D, Johnstone BM. The ototoxic mechanism of cisplatin. Hear Res 1990; 47:191 - 203.

5 - Ravi R, Somani SM, Rybak LP. Mechanism of cisplatin ototoxicity: antioxidant system. Pharmacol Toxicol 1995; 76: 386 -94.

6 - Smoorenburg GF, De Groot JCMJ, Hamers FPT, Klis SFL. Protection and spontaneous recovery from cisplatin-induced hearing loss. Ann N Y Acad Sci 1999; 884:192-210.

7 - Huang T, Cheng AG, Stupak H, Liu W, Kim A, Staecker H Lefebvre PP, Malgrange B, Kopke RK, Moonen G, Van De Water TR. Oxidative stress-induced apoptosis of cochlear sensory cells: otoprotective strategies. Int J Dev Neurosci
2000;18:259-70.

8 - Schweitzer VG, Dolan DF, Abrams GE, Davidson T, Snyder, R. Amelioration of cisplatin - induced ototoxicity by fosfomycin. Laryngoscope 1986; 96: 948-58.

9 - Elferink F, van der Vijgh WJ, Klein I, Pinedo HM. Interaction of cisplatin and carboplatin with sodium thiossulfate: reaction rates and protein binding. Clin Chem 1986; 32:641-5.

10 - Otto WC, Brown RD, Gage White L, Kupetz S, Anniko M, Penny JE, Henley CM. Effects of cisplatin and thiosulfate
upon auditory brainstem responses of guinea pigs. Hear Res 1988; 35: 79-85.

11 - Jordan JA, Schwade ND, Truelson JM. Fosfomycin does not inhibit the tumoricidal efficacy of cisplatinum. Laryngoscope 1999; 109:1259-62.

12 - Saito T, Zhang ZJ, Manabe Y, Ohtsubo T, Saito H. The effect of sodium thiosulfate on ototoxicity and pharmacokinetics after cisplatin treatment in guinea pigs. Eur Arch Otorhinolaryngol 1997; 254:281-6.

13 - Kaltenbach JA, Church MW, Blakley BW, Mc Caslin DL, Burgio DL. A comparison of five agents in protecting the cochlea against the ototoxic effects of cisplatin in the hamster. Otolaryngol Head Neck Surg 1997; 117:493-500.

14 - Muldoon LL, Pagel MA, Kroll RA, Brummett RE, Doolittle ND, Zuhowski EG, Egorin MJ, Neuwelt EA. Delayed administration of sodium thiosulfate in animal models reduces platinum ototoxicity without reduction of antitumor activity. Clin Cancer Res 2000; 6: 309-15.

15 - Berry JM, Jacobs C, Sikic B, Halsey J, Borch RF. Modification of cisplatin toxicity with diethyldithiocarbamate. J Clin Oncol 1990; 8:1585-90.

16 - Hamers FP, Klis SF, Gispen WH, Smoorenburg GF. Application of a neuroprotective ACTH (4-9) analog to affect cisplatin ototoxicity: an electrocochleographic study in guinea pigs. Eur Arch Otorhinolaryngol 1994; 251:23-9.

17 - Stengs CHM, Klis SFL, Huizing EH, Smoorenburg GF. Protective effects of a neurothophic ACTH (4-9) analog on cisplatin ototoxicity in relation to the cisplatin dose: an electrocochleographic study in albino guine pigs. Hear Res
1988; 124: 108-17.

18 - Cardinaal RM, Groot JCMJ, Huizing EH, Veldman JE, Smoorenburg GF. Histological effects of co-administration
of an ACTH(4-9) analog, ORG 2766, on cisplatin ototoxicity in the albino guinea pig. Hear Res 2000;144: 157-67.

19 - Campbell KCM, Rybak LP, Meech RP, Hughes L. D-Methionine provides excellent protection from cisplatin ototoxicity in the rat. Hear Res 1996; 102:90-8.

20 - Reser D, Rho M, Dewan D, Herbst L, Li G, Stupak H, Zur K, Romaine J, Frenz D, Goldbloom L, Kopke R, Arezzo J, Van De Water T. L.- and D- methionine provide equivalent long term protection against CDDP- induced ototoxicity in vivo,with partial in vitro and in vivo retention of antineoplastic activity. Neurotoxicology 1999; 20:731-48.

21 - Feghali JG, Liu WBS, Van De Water TR. L-N-Acetyl-cysteine protection against cisplatin-induced auditory neuronal and hair cell toxicity. Laryngoscope 2001; 111:1147- 55.

22 - Sha SH, Schacht J. Salicylate attenuates gentamicin induced ototoxicity. Lab Invest 1999; 79:807-13.

23 - Li G, Sha SH, Zotova E, Arezzo J, Van De Water T, Schacht J. Salicylate Protects hearing and kidney function from
cisplatin toxicituy without compromising its oncolytic action. Lab Invest 2002; 82:585-96.

24 - Dehne N, Lautermann J, Petrat F, Rauen U, De Groot H. Cisplatin ototoxicity: involvement of iron and enhanced formation of superoxide anion radicals. Toxicol Appl Pharmacol. 2001;174:27-34.

25 - Fukaya H, Kanno H. Experimental studies of the protective effect of ginkgo biloba extract (GBE) on cisplatin-induced toxicity in rats. Nippon Jibiinkoka Gakkai Kaiho 1999; 102:907- 17.

26 - Martinez Martinez MJ, Fernandez Cervilla F, Crepo VP, Giges M, Campos A. Morphological and functinal correlations of the protective action of pantothenic acid in cisplatin ototoxicity (I). Acta Otorrinolaringol Esp 1997; 48: 261-4.

27 - Hori H, Kanno H. An experimental study of the protective effect of lazaroid (U-74389G) on cisplatin induced toxicity.
Nippon Jibiinkoka Gakkai Kaiho 1999; 102:8-18.

28 - Yuhas JM, Culo F. Selective inhibition of the nephrotoxicity cis-dichlorodiammineplatinum (II) by WR-2721. without altering its anti-tumor properties. Cancer Treat Rep 1980; 64:57-64.

29 - Foster Nora JA, Siden R. Amifostine for protection from antineoplastic drug toxicity. Am J Health Syst Pharm 1997;
54:787-800.

30 - Stengs CH, Klis SF, Huizing EH, Smoorenburg GF. Cisplatin ototoxicity. electrophysiological evidence of spontaneous recovery in the albino guinea pig. Hear Res 1997; 111: 103 - 13.

31 - Oliveira JAA, Canedo DM, Rossato M, Andrade MH. Selfprotection against aminoglycoside ototoxicity in guinea pigs. Otolaryngol Head Neck Surg. 2004; 131:271-9.

BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS

Allen GC, Tiu C, Koike K, Ritchey AK, Kurs-Lasky M, Wax MK. Transient-evoked otoacoustic emissions in children after
cisplatin chemotherapy. Otolaryngol Head Neck Surg 1998;118: 584-8.

Blakley BW, Cohen JI, Doolittle ND, Muldoon LL, Campbell KC, Dickey DT, Neuwelt EA. Strategies for prevention of toxicity caused by platinum - based chemotherapy: review and summary of the annual meeting of the Blood-brain barrier disruption program, Gleneden Beach, Oregon, March 10, 2001. Laringoscope 2002; 112: 1997-2001.

Canedo DJM. Auto defesa da cóclea contra agentes nocivos [Dissertação de Mestrado], Ribeirão Preto: Faculdade de
Medicina de Ribeirão Preto-USP; 1999.

Cardinaal RM, Groot JCMJ, Huizing EH, Veldman JE, Smoorenburg GF. Cisplatin-induced ototoxicity: morphological evidence of spontaneous outer hair cell recovery in albino guinea pigs? Hear Res 2000; 144:147-56.

Ciges M, Fernandez FC, Crespo PV, Campos A. Pantothenic acid and coenzyme A in experimental cisplatin induced ototoxia. Acta Otolaryngol 1996; 116: 263-8.

De Laurents A, De Capua B, Barbieri MT, Bellussi L, Passali D. ABR evaluation of ototoxicity in cancer patients receiving cisplatin or carboplatin. Scand Audiol 1999; 28:139-43.

Evans P, Halliwell B. Free radicals and hearing. Cause, consequence, and criteria. Ann N Y Acad Sci 1999; 884:19-40.

Fausti SA, Frey RH, Henry JA, Olson DJ, Schaffer HI. Early detection of ototoxicity using high-frequency, tone burst evoked auditory brainstem responses. J Am Acad Audiol 1992; 3: 37-40.

Gao WQ. Role of neurotrophins and lectins in prevention of ototoxicity. Ann N Y Acad Sci 1999; 884:312-27.

Heijmen PS, Klis SF, De Groot JC, Smoorenburg GF. Cisplatin ototoxicity and the possibly protective effect of alpha-melanocyte stimulating hormone. Hear Res 1999;128:27-39.

Kamimura T, Whitworth CA, Rybak LP. Effect of 4- methylthiobenzoic acid on cisplatin-induced ototoxicity in the
rat. Hear Res 1999; 131:117-27.

Kemp DT, Siobhan R, Bray P. A guide to effective use of otoacoustic emissions. Ear Hear 1990; 11:93-105.

Kohn SM, Fradis M, Pratt H, Zidan J, Podoshin L, Robinson E, Nir I. Cisplatin ototoxicity in guinea pigs with special reference to toxic effects in the stria vascularis. Laringoscope 1988; 98:865-71.

Laurell G, Engström B, Bagger-Sjöback D. Ototoxicity of cisplatin. Int J Androl 1987; 10: 359-62.

Laurell G, Bagger-Sjöbäck. D. Dependent inner ear changes after I.V. administration of cisplatin. J Otolaryngol 1991;
20:158-67.

Lautermann J, Song B, McLaren J, Schacht J. Diet is a risk factor in cisplatin ototoxicity. Hear Res 1995; 88:47-53.

Lopes Filho O, Carlos R, Redondo MC. Produtos de distorção das emissões otoacústicas. Rev Bras Otorrinolaringol 1995; 61: 485-94.

Lopez-Gonzalez MA, Guerrero JM, Rojas F, Delgado F. Ototoxicity caused by cisplatin is ameliorated by melatonin and other antioxidants. J Pineal Res 2000; 28:73-80.

Nagy JL, Adelstein DJ, Newman CW, Rybicki LA, Rice TW, Lavertu P. Cisplatin ototoxicity: the importance of baseline audiometry. Am J Clin Oncol 1999; 22: 305-8.

Neubert D. Significance of pharmacockinetic variables in reproductive and developmental toxicity. Xenobiotica 1998;
18(Suppl 1): 45-58.

Oliveira JAA, Canedo DM, Rossato M. Autodefesa contra a ototoxicidade de antibióticos aminoglicosídeos. Rev Bras
Otorrinolaringol 2002; 68: 7-13.

Oliveira JAA. Audiovestibular toxicity of drugs. Florida: Boca Raton CRC Press; 1989. 2 vol.

Powis GD, Hacker MP. The toxicity of anticancer drugs. New York: Pergamon Press; 1991. p. 82-105.

Ravi R, Rybak LP, Somani SM. Relationship of pharmacodynamic effects of cisplatin to the glutathione levels in the cochlea, inferior colliculus and kidney. Pharmacologist 1991; 33: 402.

Rosenberg B. Clinical aspects of platinum anticancer drugs. In: Rosenberg B. Metal ions in biological systems. New York: Marcel Dekker, Inc, 1980. vol 12: p. 127-96.

Rosenberg B. Fundamental studies with cisplatin. Cancer 1985; 55:2303-46.

Rybak LP, Somani S. Ototoxicity. Amelioration by protective agents. Ann N Y Acad Sci 1999; 884:143-51.

Rybak LP, Whitworth MA, Somani S. Application of antioxidants and other agents to prevent cisplatin ototoxicity.
Laringoscope 1999; 109: 1740-4.

Stengs CH, Klis SF, Huizing EH, Smoorenburg GF. Cisplatin ototoxicity. An electrophysiological dose-effect study in albino guinea pigs. Hear Res 1998;124: 99-107.

Simpson TH, Schwan SA, Rintelmann WF. Audiometric test criteria in the detection of cisplatin ototoxicity. J Am Acad Audiol 1992; 3:176-85.

Song BB, Schacht J. Variable efficacy of radical scavengers and iron chelators to attenuate gentamicin ototoxicity in
guinea pig in vivo. Hear Res 1996; 94:87-93.

Yung MW, Dorman EB. Electrocochleography during intravenous infusion of cisplatin. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 1986; 112:823-6.

Zenner HP, Keiner S, Zimmermann U. Specific glutathione-SH inhibition of toxic effects of metabolized gentamicin on isolated guinea pig hair cells. Eur Arch Otorhinolaryngol 1994; 251:84-90.

Revista Médica VOLUME 38 NÚMERO 3/4 JULHO-DEZEMBRO 2005